tecnologia

Alergia alimentar: 72% das pessoas não sabem como tratar a doença

23views

Um estudo de uma amostra em uma diversidade de domicílios dos EUA, incluindo pacientes adultos e cuidadores de crianças com alergia alimentar, descobriu que 72% não sabiam o que era imunoterapia oral (OIT) antes da pesquisa.

A equipe também descobriu que a consciência atual da OIT é desproporcionalmente elevada entre os entrevistados mais ricos e com maior escolaridade, o que ressalta a necessidade de esforços de divulgação mais equitativos e maior acesso a essas terapias para todos os pacientes com alergia alimentar. 

publicidade

A alergia alimentar é um problema de saúde significativo que afeta aproximadamente 8% das crianças e 10% dos adultos nos Estados Unidos. Atualmente, o manejo recomendado da alergia alimentar envolve evitar estritamente o alimento gordurosos e garantir o acesso imediato à epinefrina. 

Isso representa um grande desafio para pacientes e famílias, pois pode prejudicar a qualidade de vida , impor encargos financeiros e potencialmente resultar em anafilaxia com risco de vida após ingestão acidental. Em 2020, o FDA aprovou Palforzia, um medicamento de farinha de amendoim, para uso em OIT. Com isso, se tornou o primeiro tratamento aprovado para pacientes com alergia ao amendoim, com idades entre 4 e 17 anos.

Leia mais:

“Com a expansão contínua das ofertas de imunoterapia oral e terapias adicionais no horizonte, é importante garantir o acesso equitativo a todos os tratamentos para alergia alimentar”, comentou a autora sênior Ruchi Gupta, pediatra e pesquisadora de alergia alimentar.

De acordo com ela, “os dados epidemiológicos mais recentes indicam que aproximadamente metade das crianças com alergia alimentar nos Estados Unidos são negras, hispânicas / latinas ou multirraciais”. Por isso, Gupta considerou fundamental que a sociedade alcance essas crianças e crie uma maior conscientização sobre a imunoterapia oral, para que eles também possam se beneficiar dos avanços recentes nos tratamentos de alergia alimentar.

As pesquisas foram realizadas por 781 entrevistados de todos os 50 estados dos Estados Unidos. Os entrevistados foram solicitados a relatar uma alergia alimentar diagnosticada por um médico para serem elegíveis para o estudo. “Nossa Iniciativa de acesso à comunidade se esforça para entender as barreiras como a encontrada neste estudo e desenvolver os programas e recursos para atender às necessidades”, explicou Anita Roach.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: Olhar Digital