política

Alertado, Facebook remove só 6% de fake news sobre vacinas, diz pesquisa

33views

*Por Laura Hazard Owen

A organizações  Center for Countering Digital Hate e Restless Development treinaram jovens voluntários para identificar e reportar publicações com informações falsas sobre vacinas que apareceram no Facebook, Instagram, YouTube e Twitter. Os relatórios não foram positivos: “Das 912 publicações reportadas, de 21 de julho a 26 de agosto, menos de 1 em cada 20 posts foi removido (4,9%)”.

Várias das publicações com informações falsas eram sobre a vacina contra a covid-19. Mais de 10% delas mencionavam teorias de conspiração sobre o Bill Gates. Outras publicações sugeriam que a tecnologia 5G e a vacina contra gripe podem piorar os sintomas da doença. Eis a íntegra do relatório (3 MB, em inglês)

Abaixo, uma lista das plataformas que foram avisadas sobre Fake News, e o que elas fizeram:

Em junho, o Center for Countering Digital Hate realizou 1 estudo de publicações com informações falsas sobre a covid-19. O estudo indicou que as plataformas removeram menos do que 1 em cada 10 publicações que violam as regras.

Depois da publicação desse estudo anterior, de junho, o Facebook solicitou a lista completa de publicações. A lista foi enviada à empresa. Revisamos agora as publicações e descobrimos que, depois de 3 meses, 75% permanecem intactas.

Ou seja, apesar de ter recebido a lista completa, o Facebook só removeu 25% das publicações que violam as regras da plataforma. São postagens que afirmam que a covid-19 é uma arma biológica, “causada pela vacina da gripe” e teorias de conspirações sobre o Bill Gates.

A rede social se mostrou ineficiente também em banir usuários e grupos que compartilham informações falsas. Apenas 0.3% foram banidos.

O Twitter foi mais eficiente. Baniu 12,3% usuário da plataforma. O número de usuários banidos do Instagram foi menor que o do Facebook, apesar de ambas empresas compartilharem as mesmas regras. Isto é preocupante, pois o estudo indica que o Instagram é importante para o crescimento do movimento antivacina nos EUA.

Facebook anunciou que vetará o impulsionamento de anúncios políticos na semana anterior às eleições presidenciais (3 de novembro). Disse que anexará 1 selo informativo a conteúdos que busquem deslegitimar o resultado ou questionar os métodos de votação. No Messenger, os usuários só poderão encaminhar mensagens para até 5 pessoas. Antes, o limite era de 150 pessoas.

A lacuna nas regras da plataformas sobre esse tipo de desinformação não deixa claro o que pode ser removido. Um estudo do Election Integrity Partnership indicou que poucas plataformas tinham políticas específicas sobre conteúdo político em agosto de 2020. Publicações que buscam deslegitimar os resultados eleitorais são preocupantes pois “nenhuma dessas plataformas tem políticas de transparência em relação a esse conteúdo. Isso dificulta a aplicação da lei”.

“Conteúdo falso sobre o processo eleitoral e a sua legitimidade pode trazer muitos danos ao mundo real”, o autor concluiu. “Combater a desinformação requer ações rápidas das plataformas. Antes que essas publicações alcancem pessoas dispostas a acreditarem nessas informações. Ações eficazes requerem que as plataformas tomem decisões justas com base em registros completos e sem se preocuparem com consequências políticas posteriores”.

__

*Laura Hazard Owen é vice-editora do Lab. Anteriormente era editora chefe da Gigaom, onde escreveu sobre publicação digital de livros.

__

Leia o texto original (em inglês).

__

Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports produz e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

Continuar lendo

Poder360