ciência

Anel de poeira na órbita de Vênus é visto por completo pela primeira vez

59views
Anel de poeira de Vênus aparece ao longo da linha pontilhada em vermelho (Foto: Nasa/Johns Hopkins APL/Laboratório de Pesquisa Naval/Guillermo Stenborg e Brendan Gallagher)
Anel de poeira de Vênus aparece ao longo da linha pontilhada em vermelho (Foto: Nasa/Johns Hopkins APL/Laboratório de Pesquisa Naval/Guillermo Stenborg e Brendan Gallagher)

Pela primeira vez, cientistas conseguiram capturar imagens que mostram o anel de poeira orbital de Vênus por completo. Como o anel é composto por inúmeras partículas, a descoberta, publicada em 7 de abril no The Astophysical Journal, pode explicar melhor como funcionam as trocas de grãos microscópicos no Sistema Solar.

Isso é importante pois há muitas partículas desconhecidas na órbita do Sol, sobretudo poeira, capaz de revelar detalhes enigmáticos sobre o nosso sistema. Por isso, os astrônomos ficaram fascinados ao identificar o anel nas fotografias, captadas pela Sonda Solar Parker, da Nasa.

Segundo comunicado, observações anteriores do anel orbital de Vênus já tinham sido feitas pela espaçonave germano-americana Helios e pela missão de observação solar Stereo, também da Nasa. Porém, as imagens mais recentes da sonda solar revelam de modo inédito praticamente toda a extensão de 360 ​​graus do objeto de poeira.

À princípio, os cientistas não sabiam o que estavam vendo nas fotos. Supuseram até que se tratavam de feixes de luz do Sol ou alguma falha da Solar Parker. Porém, utilizando processamento de imagens, eles removeram o fundo de poeira e as estrelas, deixando tudo mais nítido.

Perceberam assim o anel, que se alinhava com a órbita de Vênus. E mais: com base no brilho do planeta, estimaram que a poeira ao longo de sua órbita era cerca de 10% mais densa do que nas regiões vizinhas.

Depois da Lua, vênus é o objeto mais brilhante do céu noturno (Foto: Nasa/JPL)
Depois da Lua, vênus é o objeto mais brilhante do céu noturno (Foto: Nasa/JPL)

Mas um mistério que ainda está sob investigação é como o anel orbital de Vênus se formou e de onde ele veio. Até porque a origem exata da poeira que preenche o Sistema Solar não é conhecida ainda pela ciência, embora existam várias hipóteses sobre o asssunto.

“Uma ideia é que os anéis de poeira se formaram naturalmente a partir de uma nuvem primordial, mas vários pesquisadores afirmam que a gravidade de cada planeta gradualmente prendeu as partículas, talvez até asteróides ou partículas de cometa em suas órbitas”, explicou o astrofísico Russell Howard, que participou do estudo, ao site Science Alert.

A equipe de cientistas espera ainda investigar com a Sonda Solar Parker a possível existência de uma zona livre de poeira, uma região perto do Sol onde as partículas foram vaporizadas pelo calor. Se existir esse local, ele pode explicar a interação nebulosa que ocorre entre a nossa estrela e essas poeiras.

Galileu