política

Bolsonaristas lançam campanha no Twitter contra Renan na relatoria de CPI

22views

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, como as deputadas Carla Zambelli (PSL-SP) e Alê Silva (PSL-MG), estão fazendo uma campanha no Twitter contra a possibilidade de o senador Renan Calheiros (MDB-AL) ser o relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investigará a forma como o governo federal lida com a pandemia e o uso de recursos da União por outros entres federados.

O relator é o responsável por elaborar o relatório final do colegiado e tem grande influência sobre os trabalhos de uma CPI. Há acordo para o senador alagoano ocupar o posto, mas só haverá confirmação quando o colegiado for instalado.

A hashtag #RenanSuspeito era a 5ª mais citada no Brasil na manhã deste domingo. Renan é crítico ao governo federal e tem demonstrado apoio ao petista e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve ser o principal adversário de Jair Bolsonaro na disputa pelo Planalto nas eleições do ano que vem.

A imagem acima mostra os trending topics às 10h46 deste domingo Reprodução/Twitter – 18.abr.2021

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

O Senado criou a CPI depois de determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não queria. Ele chegou ao posto com apoio de Bolsonaro.

O governo conseguiu que a CPI tivesse como alvo não só a conduta do Executivo federal, mas também o uso de recursos repassados a Estados e municípios.

O Executivo está sob pressão. Bolsonaro minimizou a pandemia em diversas ocasiões. Agora, o número de mortos pelo coronavírus passa de 370 mil no país. Além disso, a rejeição ao governo está em momento de pico, como mostrou pesquisa PoderData.

“Se a CPI vai investigar os repasses da União a Estados, tem sentido o possível relator ser PAI de um dos governadores?”, escreveu Carla Zambelli em sua conta no Twitter.

Reprodução/Twitter – 18.abr.2021

Ela se refere ao fato de Renan Calheiros ser pai de Renan Filho (MDB-AL), governador de Alagoas. Apoiadores de Bolsonaro têm dito que o governo federal fez sua parte no combate à pandemia transferindo recursos para os Estados. E que é preciso apurar o que é feito com os recursos.

O discurso se insere em um conflito mais amplo entre Bolsonaro e os governadores. Os chefes dos Executivos estaduais determinaram medidas de isolamento social para conter o coronavírus. Medidas às quais Bolsonaro é contra pelos danos que causam à economia.

O nome mais cotado para ser presidente da CPI é Omar Aziz (PSD-AM), que não é aliado nem oposição direta. O governo tenta emplacar Marcos Rogério (DEM-RO) na relatoria em vez de Renan. Deve haver disputa até o último minuto.

É provável que a comissão seja instalada na 5ª feira (22.abr.2021), depois do feriado. A seguir, os integrantes da CPI:

Continuar lendo

Poder360