política

Bolsonaro aglomera motociclistas e distribui ao menos 160 cumprimentos

18views

O presidente da República, Jair Bolsonaro, causou uma aglomeração neste domingo. Sem máscara, ele distribuiu apertos de mão e tapinhas nas costas e pousou para fotos com apoiadores.

Ele recebeu no rosto, ainda, um beijo da deputada Bia Kicis (PSL- DF), que também compareceu ao ato sem máscara.

O cenário produzido pelo presidente neste domingo (9.mai.2021) é propício para a transmissão do coronavírus. A pandemia matou ao menos 421.316 pessoas no Brasil até o momento.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Centenas de motociclistas se concentraram em frente ao Palácio da Alvorada na manhã deste domingo.

Em sua live na última 5ª feira (6.mai), Bolsonaro disse que aguardava ao menos 1.000 motos na manifestação. Não foi possível contar os participantes, mas é provável que o número tenha sido próximo (ou maior) do esperado pelo presidente.

Às 9h05 Bolsonaro deixou a residência oficial, de moto, e saiu para um passeio por pontos conhecidos de Brasília, como a Esplanada dos Ministérios e o estádio Mané Garrincha. Foi acompanhado desses apoiadores.

Chegou novamente à residência oficial por volta das 10h45. Em seguida, discursou. Disse que deverá realizar manifestações políticas em São Paulo, Belo Horizonte e no Rio de Janeiro.

Também voltou a dizer que Exército é seu e a colocar dúvidas, sem apresentar indícios, sobre o sistema eleitoral brasileiro.

Antes de discursar, Bolsonaro percorreu a parte da frente do Palácio da Alvorada cumprimentando apoiadores, que estavam separados dele por uma grade.

O Poder360 conseguiu identificar ao menos 160 interações como apertos de mão e tapinhas nas costas pela transmissão em vídeo realizada na página oficial do presidente no Facebook.

Em diversos momentos o presidente sai do enquadramento. Bolsonaro não parou de cumprimentar apoiadores nesses momentos, mas a reportagem não pode contar essas interações.

A deputada Bia Kicis, uma das principais apoiadoras do presidente, chegou enquanto ele discursava. O cumprimentou com um beijo no rosto. Ela também estava sem máscara.

O deputado Helio Lopes (PSL-RJ), outro apoiador do presidente, pegou no colo uma criança que estava no meio do público e a levou até perto do presidente.

Depois do discurso, Bolsonaro se dirigiu à portaria do Palácio da Alvorada. No caminho, parou para tirar fotos ou gravar pequenos vídeos com apoiadores pelo menos 10 vezes.

Bolsonaro desde o início da pandemia minimizou o coronavírus. Ele também entrou em conflito com governadores e prefeitos que tomaram medidas de isolamento social, apontada por especialistas como a melhor forma de conter o avanço do vírus na falta de vacinas.

“Podem ter certeza, como chefe supremo das Forças Armadas, jamais o meu exército irá às ruas para mantê-los dentro de casa”, disse Bolsonaro.

Até agora, ao menos 8.087 pessoas morreram de coronavírus no Distrito Federal.

CPI PRESSIONA PRESIDENTE

A manifestação foi chamada pelo presidente em um momento de pressão sobre o governo federal. A CPI (comissão parlamentar de inquérito) da Covid no Senado tem irritado o presidente.

O colegiado foi instalado no fim de abril para investigar a forma como o governo federal lida com a pandemia e como foram gastos recursos da União repassados a Estados e municípios.

O grupo colheu, nos últimos dias, depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Também do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga.

A fala mais esperada da comissão é do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da pasta. Ele deveria ter comparecido ao colegiado na 4ª feira (5.mai). Adiou a oitiva sob o argumento de que havia tido contato recente com pessoas contaminadas pelo coronavírus.

O Brasil tem até o momento 421.316 mortes confirmadas pelo coronavírus. A de maior repercussão até o momento foi a do ator Paulo Gustavo, na última semana.

Continuar lendo

Poder360