política

Carnaval da Bahia tem 80% de chance de ser adiado, diz Rui Costa

46views

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse que há 80% de chances de o Carnaval no Estado ser adiado em 2021. A festa está programada para 12 a 16 de fevereiro. O petista declarou que é preciso analisar “conjuntamente com governadores” a viabilidade de uma possível nova data para todo o país.

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
Assista à entrevista gravada em 20 de agosto de 2020 (50min18s):

Ele associa qualquer liberação para aglomerações em eventos à disponibilidade de uma vacina contra o coronavírus. Segundo Rui Costa, o melhor cenário neste momento é que no início de 2021 apenas os grupos de risco possam estar imunizados, mas não a população em massa. Por essa razão, parece inevitável ter de postergar o Carnaval.

“Se a vacina estiver de fato em produção…se isso for verdadeiro nós chegaremos em dezembro, janeiro ou fevereiro não com toda a população vacinada. Mas se nós chegarmos lá, próximo a fevereiro, com os grupos de risco vacinados, nós podemos imaginar que adiar o Carnaval é possível”, afirmou.

A mudança, entretanto, deveria ser pactuada entre todos os Estados, afirma o governador da Bahia. Dessa forma, seriam evitados cenários com festas espalhadas em datas diferentes –o que desorganizaria a indústria do turismo em torno do Carnaval.

As prefeituras de Salvador, São Paulo e do Rio de Janeiro vão na mesma linha. Já disseram que podem adiar eventos porque ainda não há segurança sobre a disponibilidade da vacina.

Outra festa que não deve ser realizada nos moldes tradicionais na Bahia é o Réveillon. Essa é uma época do ano que os hotéis e resorts ficam lotados na Bahia. Mas na virada de 2020 para 2021 o governo baiano não organizará nenhum evento que possa resultar em aglomerações. Rui Costa disse que não permitirá que nenhum município baiano organize a festa, se for mantido o atual cenário.

Ir às praias e comemorar a data, entretanto, não será proibido na noite de 31 de dezembro. A cultura de ir “pular ondinhas” será liberada, mas respeitando as regras de distanciamento e o uso de máscaras. Ele pondera ainda que só será possível ter uma avaliação mais clara sobre a situação da virada do ano em outubro.

Costa declarou que o poder público pode alertar e advertir a população, mas não tem como controlar reuniões familiares ou idas à praia.

“Na medida em que o poder público não organiza grandes festas… Você pode não impedir 100% das aglomerações, mas você não promove as aglomerações, é uma coisa bem diferente”, declarou em entrevista ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do programa Poder em Foco, uma parceria editorial do SBT com o jornal digital Poder360.

Na entrevista ao Poder em Foco, declarou ainda que não há 1 número exato para detalhar o rombo econômico causado pela pandemia no Estado. Principalmente em áreas como a do turismo e da cultura. Segundo ele, a Secretaria de Planejamento de seu governo prepara 1 estudo para detalhar os impactos setoriais da crise.

“O que eu posso afirmar, só para ter uma referência: nós estamos com a arrecadação menor que o executado em 2019 em valores nominais. Portanto, a queda na atividade econômica vai ser gigantesca e eu diria que vai ser mais acentuada nos serviços, especialmente turismo e cultura”, completou.

Costa explicou que, de acordo com o protocolo utilizado por ele, a reabertura é lenta, gradual e está atrelada à taxa de ocupação de leitos do Estado. As praias, por exemplo, devem ser reabertas ao público quando houver mais de 50% de leitos disponíveis. De acordo com o governador, isso deve ser atingido já agora em agosto.

 ESQUERDA EM 2022

 Questionado sobre qual deveria ser a estratégia da esquerda para ter chances eleitorais em 2022, Costa disse que não é hora de discutir nomes para disputar o pleito. Segundo o petista, o momento é para debater projetos de governo.

“Eu tenho dito que mais importante nesse momento, mesmo no final de 2021, véspera da eleição de 2022, o mais importante não é 1º discutir nomes. É discutir o programa, o conteúdo, o que nós vamos fazer do nosso país”, declarou.

Sobre se o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda é o mais forte da oposição, Rui Costa elogiou o ex-governante, mas repetiu que, até para Lula, não é a hora de debater nomes.

“O Lula fez 1 governo que qualquer pessoa, se não tiver ódio de olhar os números, vai enxergar que foi o melhor governo da história recente do Brasil de muitos e muitos anos… Você vai ver que foi 1 período de ascensão econômica, ascensão social do Brasil.”

 
O ex-presidente foi condenado na Lava Jato a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A sentença diz respeito ao caso do tríplex no Guarujá. Pela Lei da Ficha Limpa Lula está inelegível por ter sido condenado em 2ª Instância por órgão colegiado, no caso o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

O governador baiano prega a união e o diálogo para que se possa ter alguma chance de vitória em 2 anos. Perguntado se vetaria nomes como o do governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) ou do apresentador Luciano Huck, Costa disse que não vetaria ninguém.

“Eu não posso falar em nome do PT, eu não sou da executiva nacional, nem da direção nacional. Eu posso falar em meu nome. Eu não tenho veto a ninguém… eu acho que nós temos que conversar. Na democracia, o país cresce e se desenvolve quando exercita o diálogo, quando exercita o entendimento”, completou.

APROVAÇÃO DE BOLSONARO

Com a popularidade do governo em 52%, como indicou pesquisa PoderData, Bolsonaro é hoje candidato competitivo à reeleição em 2022. A alta foi de 7 pontos percentuais em relação ao último levantamento, realizado 15 dias antes. Esse foi o maior percentual registrado em 2020.

Para Rui Costa, entretanto, na Bahia os números não são tão bons para Bolsonaro. Segundo ele, mais de a metade da população baiana avalia o presidente como “ruim” ou “péssimo”. Quando a pergunta é se “aprova” ou “desaprova”, Costa diz que há 70% da 2ª opção em seu Estado. Não é o que mostram as pesquisas do PoderData: no Nordeste, o governo Bolsonaro é aprovado por 48% e reprovado por 46%, com tendência de melhora da popularidade presidencial, como mostra o gráfico a seguir:

Rui Costa avalia que ainda assim será preciso que os partidos que queiram vencer Bolsonaro “deixem a vaidade de lado”. Ele afirma que é preciso respeitar os valores da família e a democracia.

Para o petista, o presidente e seus apoiadores usam uma retórica de valores pela família, mas não têm os valores “verdadeiros”. Citou, entre esses, o respeito às crianças, lembrando do caso em que a ativista Sara Winter, apoiadora de Bolsonaro, divulgou os dados de uma menina de 10 anos vítima de estupro e que interromperia a gestação causada pelo abuso.

“Eu diria não só 1 ou outro partido, para todo mundo. É preciso deixar as vaidades de lado, seus projetos pessoais e pensar no país, pensar no povo brasileiro e construir 1 Brasil melhor para o nosso povo. Porque do jeito que está as coisas estão muito difíceis.”

De acordo com o governador, o país tornou-se 1 lugar “de cultuar o ódio e agressões”. Além disso, sob o comando de Bolsonaro, o Brasil teria perdido “de forma drástica sua credibilidade internacional”.

REFORMA TRIBUTÁRIA

 Sobre a ideia de reformular a política de tributos no Brasil, Rui Costa ataca o que ele chama de relação “perversa”, na qual os mais ricos pagam menos impostos que os mais pobres. Ele exemplifica que uma pessoa que ganha R$ 10 mil mensais paga proporcionalmente mais que uma empresa que fatura centenas de milhares de reais.

“Para se fazer justiça fiscal [no Brasil], acho que deveria corrigir esse erro e colocar o Brasil parecido, por exemplo, com os países europeus, onde se cobra menos dos pobres e mais dos ricos”, declarou.

Outro ponto criticado pelo governador baiano é a divisão do que é arrecadado. Segundo ele, 70% dos recursos ficam com a União e só 30% são distribuídos para Estados e municípios. Isso começa a partir da criação da figura da “contribuição”. Este tipo de tributo, diferentemente dos impostos, não precisa ser compartilhado entre todos os entes federativos, ficando só com o governo federal.

Há no Congresso uma comissão mista –com senadores e deputados- para analisar as propostas de reforma tributária. Entre as ideias aventadas pelo governo está a criação de 1 imposto sobre transações digitais, que serviria para compensar uma possível desoneração da folha de pagamentos.

Costa afirma que só é favorável a esse modelo de tributo caso ele seja muito pequeno. Neste caso, seria usado apenas para identificar movimentações criminosas, como do tráfico de drogas e do crime organizado.

Sobre a possibilidade de o projeto ser aprovado ainda em 2020, o petista disse: “Eu não gosto de ser pessimista toda vez que a gente debate soluções para o país…eu sempre sou a pessoa otimista, trabalharei para que a reforma, junto com outros governadores, aconteça e que de fato ela traga justiça fiscal, justiça social.”

 PODER PÚBLICO SOFREU GOLPE

 Em junho deste ano, o MPF (Ministério Público Federal) instaurou 1 inquérito para investigar suspeitas de ilegalidades na compra de respiradores pelo consórcio do Nordeste, presidido por Rui Costa. O governador, por usa vez, diz que o grupo sofreu 1 golpe da empresa que vendeu os equipamentos, que nunca foram entregues.

“Nós tomamos todas as medidas cabíveis, ou seja, abrimos procedimento interno, abrimos procedimento policial, prendemos as pessoas que eram responsáveis…nós abrimos uma ação cível indenizatória também contra os responsáveis e com certeza nós haveremos de recuperar esse recurso.”

De acordo com Costa, com a alta procura pelos respiradores por conta da pandemia, pessoas querendo “ganhar dinheiro fácil” passaram a aplicar golpes em governos do Brasil e do mundo. Ele nega, contudo, que agentes públicos tenham envolvimento com as supostas fraudes. Promete investigação e punição caso os crimes sejam comprovados.

“Eu tenho 1 posicionamento muito claro. Eu espero, acredito que nenhum agente público do consórcio [ou] do governo tenha qualquer envolvimento com esse golpe que o consórcio sofreu, mas eu digo de forma muito firme: se alguém algum agente público se envolveu, vai pagar pelo seu erro de forma clara”, completou.

QUEM É RUI COSTA

Rui Costa dos Santos foi presidente do Sindicado dos Químicos e Petroleiros da Bahia de 1984 até 2000, quando foi eleito vereador por Salvador. Ficou no cargo até 2007. De janeiro daquele ano até 2010 foi secretário de Relações Institucionais do governo do Estado.

Eleito deputado federal em 2010, com 212.157 votos, cumpriu o mandato só até 2012, quando voltou ao Executivo da Bahia para ser secretário da Casa Civil do então governador Jacques Wagner (PT).

Em 2014, disputou e venceu a eleição para governador da Bahia. Foi eleito no 1º turno, com 54,53% dos votos, e reeleito, em 2018, com expressivos 75,5% – novamente em uma única votação.

O trabalho do governador da Bahia é avaliado como “ótimo” ou “bom” por 53% dos baianos, segundo levantamento PoderData feito de 20 a 22 de julho. O petista registrou recuperação da avaliação positiva, com alta de 5 pontos percentuais em relação ao levantamento anterior, feito 15 dias antes.

PODER EM FOCO

O programa semanal, exibido aos domingos, sempre no fim da noite, é uma parceria editorial entre SBT e Poder360. O quadro reestreou em 6 de outubro, em novo cenário, produzido e exibido diretamente dos estúdios do SBT em Brasília.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração pode ser vista nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do YouTube do Poder360.

Eis os outros entrevistados pelo programa até agora, por ordem cronológica:

Continuar lendo

Poder360