política

Dilma rebate Folha por editorial que compara Bolsonaro à petista: ‘Distorção’

64views

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) divulgou nota neste sábado (22.ago.2020) para rebater editorial publicado mais cedo pelo jornal Folha de S.Paulo. Intitulado Jair Rousseff, o texto do jornal paulista traça paralelo entre o atual governo e as gestões petistas (2010-2016) devido à suposta pretensão de Bolsonaro em descumprir o teto de gastos públicos.

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
Dilma chamou o jornal de “Falha de S.Paulo“, termo pejorativo comumente usado por grupos de direita e de esquerda para atacar a publicação, e disse que o periódico tem “enorme dificuldade de avaliar o passado e, assim, frequentemente erra ao analisar o presente“.

Para a ex-presidente, o editorial configura “ato de má-fé” e “distorção iníqua que confirma o facciosismo do jornal“.

A junção grosseira e falsificada é feita para forçar uma simetria que não existe e, por isto, ninguém tem direito de fazer, entre uma presidenta democrática e desenvolvimentista e 1 governante autoritário, de índole neofascista, sustentado pelos neoliberais“, escreveu.

Alvo de impeachment em 2016 por pedaladas fiscais, Dilma negou que tenha promovido gastos excessivos em seu governo e chamou de “sórdida mentira” a atribuição de seu governo a atos de irresponsabilidade fiscal.

A petista afirmou que o teto de gastos, regra que limita os investimentos públicos e que foi instituída no governo de Michel Temer (MDB), é “1 dos maiores atentados já cometidos contra o povo brasileiro e a democracia” por “criar uma camisa de força” para a economia.

Se a intenção da Folha é tutelar e pressionar Bolsonaro para que ele entregue a devastação neoliberal, que tenha pelo menos a dignidade de não falsificar a história recente. Aprenda a avaliar o passado e admita seus erros deliberados, se quiser ter alguma autoridade para analisar um presente sombrio de cuja construção participou diretamente.”

Continuar lendo

Poder360