política

Doria diz que imunizará população em janeiro mesmo se governo comprar vacina

42views

O governador de São Paulo, João Doria, disse neste sábado (12.dez.2020) que começará a imunizar a população de seu Estado em janeiro, como havia prometido, mesmo se o governo federal também comprar a vacina para um plano de imunização nacional.

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1
small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
“É o que queremos desde o início de outubro, quando o ministro [Eduardo Pazuello] anunciou a compra e, menos de 24 horas depois, foi desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro. O que questionamos é por que começar a vacinação apenas em março, se temos capacidade para fazê-lo em janeiro?”

Doria se referiu ao episódio em que o presidente Jair Bolsonaro decidiu cancelar o acordo firmado pelo Ministério da Saúde para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, a vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

A reportagem do Poder360 apurou que Bolsonaro enviou mensagens a ministros com o seguinte teor:

“Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19″. O presidente e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), são desafetos políticos.

Doria anunciou que a vacinação em São Paulo terá início no dia 25 de janeiro com a vacina Coronavac. O anúncio do governador de São Paulo foi criticado pelo governo federal.

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência disse que a decisão do tucano desrespeita a autoridade da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e é uma atitude “inconstitucional e ilegal”.

A agência ainda não aprovou nenhuma das 4 vacinas hoje testadas no Brasil: CoronaVac, Moderna, Pfizer e a do grupo Johnson & Johnson.

O Ministério da Saúde ainda não tem um calendário de vacinação, mas o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que busca recursos para comprar doses suficientes para vacinar toda a população.

Determinei também que nós tivéssemos contratos, não vinculantes inicialmente, mas já contratos, memorandos de entendimento, com todas as fabricantes de vacinas que se disponibilizarem no nosso país. Isso está acontecendo.”

O governador disse que a movimentação do ministério também não interfere nas negociações do Estado com outros pares e cidades que demonstraram interesse na vacina que será produzida em solo paulista.

O Butantan informou que, até a 5ª feira (10.dez), governos de 11 Estados e 276 cidades já solicitaram a CoronaVac. Os Estados são: Acre, Pará, Maranhão, Roraima, Piauí, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Sul.

Continuar lendo

Poder360