política

Governo enviou agentes da Abin para conferência climática da ONU na Espanha

51views

O governo federal enviou 4 agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) à COP25 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), em dezembro de 2019, em Madri, na Espanha.

A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo neste domingo (11.out.2020). A reportagem obteve a lista que o Itamaraty enviou à organização do evento por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação).

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px
7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full
h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
Os agentes foram credenciados como integrantes da equipe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República, cujo ministro-chefe é o general Augusto Heleno. No documento oficial do evento foram identificados como “analistas”. São eles:

  • Bruno Batista Rodrigues Pereira, ex-superintendente regional da Abin no Pará;
  • Marcelo Donnabella Bastos, ex-secretário adjunto de Infraestrutura e Meio ambiente do Estado de São Paulo;
  • Lília de Souza Magalhães;
  • Pedro Nascimento Silveira.

Em entrevista a O Estado de S. Paulo, sob condição de anonimato, 1 dos agentes declarou que seu trabalho na COP-25 teve como objetivo captar as críticas ao governo Bolsonaro, sobretudo com relação à Amazônia, para “defender os interesses da país”.

O servidor negou que ambientalistas tenham sido fichados. Ele afirmou que o principal foi o pavilhão Brazil Climate Action Hub, organizado por ONGs.

O crachá dos agentes era o que permitia a mais livre circulação pelo evento. A credencial dava acesso até mesmo a reuniões de negociações.

O GSI e a Abin não se manifestaram sobre o que motivou a presença dos 4 agentes no evento. A ONU também não respondeu aos questionamentos da reportagem.

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) participou do evento. Ele chegou a fazer discurso afirmando que “o protecionismo a hipocrisia andaram de mãos dadas o tempo todo”.

Continuar lendo

Poder360