política

Grupo empresarial repassa 70% do valor prometido a Fiocruz para vacina da Covid

81views

O grupo de empresas que anunciou uma doação de R$ 100 milhões para auxiliar a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) na produção da futura vacina contra o coronavírus repassou, até agora, o total de R$ 70 milhões – 70% do valor prometido.

O consórcio é formado por Ambev, Americanas, Itaú Unibanco, Stone, Instituto Votorantim, Fundação Lemann, Fundação Brava e a Behring Family Foundation.

O estudo clínico da vacina no Brasil é desenvolvido conjuntamente pela universidade de Oxford e pela empresa AstraZeneca.

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full
h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
O valor é destinado ao aprimoramento de instalações usadas na produção da vacina da covid-19. O anúncio foi feito do dia 7 de agosto, em uma nota publicada na página da Fiocruz.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu a doação de uma coalisão de empresas e fundações para adequações em seu parque fabril e aquisição de equipamentos necessários à produção da vacina para covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, por meio do acordo com a AstraZeneca. A doação também auxiliará na expansão da estrutura de controle de qualidade, em função da grande demanda de testes que a nova vacina irá gerar”, informou a entidade.

Os testes da vacina foram suspensos no dia 8 de setembro depois que 1 dos voluntários teve uma reação adversa grave.

4 dias depois, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a retomada dos estudos clínicos. A decisão considerou as informações recebidas da agência reguladora britânica (MHRA), do Comitê Independente de Segurança do estudo clínico e da empresa farmacêutica.

Após avaliar os dados do evento adverso, sua causalidade e o conjunto de dados de segurança gerados no estudo, a Anvisa concluiu que a relação benefício/risco se mantém favorável e, por isso, o estudo poderá ser retomado”, disse a agência em nota.

O presidente Jair Bolsonaro assinou no dia 6 de agosto uma medida provisória que abre crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão para viabilizar a produção e aquisição da vacina.

O dinheiro destinado à Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) é para incorporar a tecnologia desenvolvida pela empresa britânica na fabricação da vacina. Com isso, caso a eficácia do imunobiológico seja comprovada, o Brasil deverá produzir 100 milhões de doses até o 2º trimestre de 2021.

Continuar lendo

Poder360