política

Heleno diz que governo “não teve tempo” para cuidar da Amazônia e do Pantanal

23views

O ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro, em 1 ano e 9 meses de gestão, ainda “não teve tempo” para cuidar da Amazônia e do Pantanal.

Os 2 biomas sofrem com o aumento de queimadas desde o início do governo, o que fez com o Brasil sofresse pressão internacional sobre as medidas adotadas em relação ao meio ambiente.

Nós sabemos exatamente o que temos de fazer na Amazônia brasileira e no Pantanal, só que não houve tempo ainda de colocar em prática, de colocar gente para fazer isso”, disse Heleno, ao comentar cobranças estrangeiras para que o Brasil cuide melhor das matas nativas.

As declarações foram feitas em entrevista para o canal no YouTube do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente.

“Nós sabemos que muitas coisas nós podemos melhorar. Nós podemos melhorar a vigilância do desmatamento da Amazônia? Podemos, claro, devemos fazer isso. Mas é o que eu digo, o governo Jair Bolsonaro tem 1 ano e 9 meses, não há como resolver todos os problemas do Brasil. Passamos 40 anos tendo uma gestão catastrófica de nossos recursos, inclusive os recursos naturais”, afirmou o ministro.

“Agora, gente fora do Brasil que não tem moral para nos criticar, que acabou com suas florestas, criticar com a veemência que critica, querer nos colocar como vilões do meio ambiente, não dá para aceitar”, declarou.

<![CDATA[
.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full
h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}
]]>
O ministro afirmou que o fato de na Amazônia ter poucos habitantes e eleitores “durante muito tempo foi considerado não compensador tratar da Amazônia com a seriedade que merece”. Segundo ele, tudo na Amazônia é “muito caro” por causa da falta de infraestrutura da região e de meio de transporte. Segundo ele, apesar disso, não significa que o governo não cuida ou cuidará do bioma.

Heleno também disse que a Floresta Amazônica consegue suportar “maus tratos”.

Durante a entrevista, o ministro também citou que Mourão fez uma “autocrítica sensacional” ao reconhecer que a operação militar Verde Brasil deveria ter sido mantida desde o ano passado em vez de interrompida e retomada, o que atrasou o combate às chamas. Agora, Mourão quer estendê-la até 2022. “Esse erro não será repetido, então, podem esperar resultados muito melhores em 2021 com relação à Amazônia.”

O ministro ainda fez duras críticas à imprensa durante a entrevista. Afirmou que “notícias ruins trazem prejuízo”. “Essa história, por exemplo, de o Brasil hoje ser apontando por estar pegando fogo, no mundo inteiro, é uma calúnia, uma coisa absolutamente inexplicável que alguém tenha coragem de dizer isso”, disse.

O general afirmou que pretende convidar embaixadores de países estrangeiros para sobrevoar a Amazônia para pararem de “falar bobagens”. 

Dados do Inpe mostram que o Pantanal registrou 8.106 focos de queimadas em setembro, maior número para 1 mês desde que o balanço começou a ser realizado, em junho de 1998.

Além do recorde mensal, os incêndios no bioma também bateram o recorde anual. De janeiro a setembro, o Pantanal sofreu com 18.259 focos. Ainda faltando 3 meses para acabar o ano, a marca já é maior que os 12.486 focos registrados em 2002 –ano do antigo recorde.

Os dados do Inpe apontam 1 cenário ruim também na Amazônia, maior floresta tropical do mundo. Em setembro, foram registrados 32.017 focos de queimadas no bioma. É o 2º pior resultado para o período, mas muito longe dos 73.141 no mesmo mês de 2007.

Diferentemente do Pantanal, é muito improvável que a Amazônia alcance a maior marca de incêndios em 1 ano. A 1 trimestre do fim do ano, a região soma 76.030 queimadas em 2020. O recorde é de 218.637, referentes aos 12 meses de 2004.

‘Flexionar’ legislação por pandemia

Na entrevista, Augusto Heleno também defendeu que o governo deve “flexionar instrumentos legais” por causa do excesso de gastos neste ano com a pandemia da covid-19. Segundo ele, as despesas somam cerca de R$ 1 trilhão. Ele no entanto, não mencionou que leis sugere mudar.

“O governo colocou durante a pandemia em socorro a Estados e municípios, e investindo em providências para fazer face à covid, cerca de 1 trilhão de reais. Claro que esta conta vai chegar. E claro que vamos ter de ter criatividade, vamos ter de flexionar alguns instrumentos legais para fazer face a isso. Não vai cair do céu”, afirmou.

A declaração foi feita em 1 momento em que alas do governo divergem abertamente sobre o teto de gastos. A possibilidade de flexibilizar a medida, opõe o ministro Paulo Guedes (Economia), integrantes das alas militar e política do governo.

Na última 6ª feira (2.out.2020), após informações de que o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) teria falado mal de Guedes em evento do mercado financeiro, o ministro da Economia disse que se isso tiver ocorrido significaria que Marinho é “desleal“, “despreparado” e “fura-teto.

“Eu não acredito que o ministro Rogério Marinho tenha falado mal de mim. Se ele está falando mal, tem 3 coisas: é despreparado, desleal e fura teto. Eu espero que ele não tenha falado nada de mal.”

A assessoria do Ministério do Desenvolvimento Regional negou que Marinho tenha criticado Guedes.

BOLSONARO E APOIADORES

O ministro também comentou sobre o fato de Bolsonaro ir sempre ao encontro de apoiadores cumprimentá-los.

“Ele [Bolsonaro] adora ir pra galera. Cada vez que ele vai pra galera, eu corto uns meses da minha vida. Nós todos sabemos que ele sofreu 1 atentado que quase acabou com a vida dele, com a carreira dele e seria uma modificação total na política brasileira e ele adora ir para o meio da galera. Quando ele está no meio da galera, ele esquece que é presidente da República.”

A entrevista foi publicada no sábado (3.out.2020). Assista (1h23min):

Continuar lendo

Poder360