política

Ibovespa opera em alta ante alívio vindo do exterior

54views

Após um recuo de 1,53% na sexta-feira passada, o Ibovespa abriu a nova semana com ganhos, influenciado pelo tom positivo vindo do exterior. Seguem, no entanto, as preocupações com a questão fiscal no Brasil e, no exterior, com a saúde do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o pacote de estímulo fiscal americano.

Às 10h35, o Ibovespa subia 0,24%, aos 94.241 pontos. O giro financeiro estava em R$ 2 bilhões.

Os papéis da Petrobras seguem a recuperação vista no petróleo, após perdas da commodity perto de 4% na sexta-feira passada. Petrobras PN aumentava 1,68% e Petrobras ON tinha elevação de 1,77%.

De forma geral, os ativos de risco globais iniciaram a semana em tom positivo, diante de sinais de melhora na saúde de Trump e sinalizações de que o pacote de estímulo fiscal americano deve ser aprovado antes da eleição de 3 de novembro.

Por outro lado, indicadores econômicos chamam atenção. O índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da zona do euro recuou para 48 pontos em setembro ante 50,5 em agosto, o menor nível desde maio. Leituras abaixo de 50 indicam contração da atividade.

No ambiente brasileiro, o Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgou melhora na projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, de contração de 5,04% para queda de 5,02%.

A atenção, contudo, segue no fiscal e embates entre membros do governo, Congresso e equipe econômica. O presidente Jair Bolsonaro recebeu hoje o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o relator do Orçamento e da PEC do Pacto Federativo, Márcio Bittar. “Acertando os detalhes do orçamento do país”, escreveu Bittar, em uma postagem em rede social.

No corporativo, Ânima e Yduqs têm até amanhã para apresentarem propostas para a aquisição da Laureate, e a Suzano anunciou que a precificação da oferta subsequente de ações pelo BNDES ficou em R$ 46 por ação.

1 de 1 — Foto: Andre Penner/AP

— Foto: Andre Penner/AP

Fonte: Valor Econômico