política

‘Menti. A mentira é 1 privilégio humano. É 1 prazer até’, diz João Santana

52views

O marqueteiro João Santana, 67 anos, exasperou-se na 2ª feira (26.out.2020) no programa Roda Viva, da TV Cultura, quando confrontado com mentiras que contou ao longo de sua carreira.

Irritado, chegou a fazer uma elegia à mentira: “Todo mundo mente. A mentira é 1 privilégio humano. É 1 prazer até…”.

Santana se irritou quando foi mencionado 1 vídeo que ele gravou e publicou em maio de 2015, negando trabalhar com caixa 2. Na ocasião, disse que teria recebido US$ 20 milhões por uma campanha eleitoral na qual havia trabalhado em Angola. Depois, em fevereiro de 2016, já preso pela Lava Jato, tudo ficou mais claro: o valor total pago pelo país africano fora muito maior, de US$ 50 milhões. Ou seja, houve US$ 30 milhões de caixa 2.

O argumento de Santana ontem no Roda Viva foi o de que em maio de 2015, no seu vídeo (depois retirado do ar, mas arquivado pelo Poder360) ele apenas falava de caixa 1. Não é bem assim, poiso marqueteiro dá a entender que tudo o que fazia era legal e com impostos pagos. Em tom de indignação, dizia esperar “retratação” de pessoas que divulgavam as informações que ele considerava incorretas. Eis o vídeo de 2015:

Eis a seguir a prova de que em maio de 2015 João Santana contou uma história pela metade: os depoimento dele e da mulher, Monica Moura, à Polícia Federal:

Com argumentos desencontrados, Santana tentou se justificar. No seu entender, melhorou os padrões da relação entre marqueteiros e políticos. Como? Sustentou ter sido responsável por aumentar os valores que recebia de campanhas eleitorais de maneira legal (caixa 1) em comparação com o que se praticava no passado, quando quase tudo era caixa 2, ilegal.

O marqueteiro de Lula em 2006 e de Dilma em 2010 e 2014 acha que ao exigir uma parte maior de seus pagamentos em caixa 1 teria contribuído de maneira relevante para moralizar o uso de dinheiro na política. Por esse raciocínio, Santana diz acreditar ter sido menos deletério do que os demais profissionais do marketing político.

Nesse trecho da entrevista, Fernando Rodrigues (diretor de Redação do Poder360) fez uma afirmação sobre o hábito de Santana mentir de maneira contumaz: “Eu te conheço há alguns anos. E durante os anos em que você foi marqueteiro a gente tinha uma relação profissional muito escorreita, eu imaginava, mas você mentiu de maneira contumaz para mim e possivelmente para vários colegas. Mentiu. Inclusive você ligava para reclamar quando se sugeria que haveria algum caixa 2, praticamente ofendendo os jornalistas, dizendo “olhe, isso é uma mentira, isso é 1 absurdo”. Você chegou a gravar 1 vídeo dizendo que as pessoas se retratassem…”.

A partir daí, exasperado, Santana adotou uma tática de mudar de assunto. Disse que quando era marqueteiro do PT, recebeu ligações telefônicas de Fernando Rodrigues pedindo ajuda para que fosse aprovada e sancionada a Lei de Acesso à Informação. Essa informação é pública. Rodrigues foi presidente da Abraji e durante muitos anos atuou como 1 dos coordenadores do Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas. Falava com vários integrantes do governo e do Congresso para advogar a favor da aprovação e sanção da LAI.

A TV Cultura publicou este trecho da entrevista em seu perfil no Twitter:

Eis a transcrição do trecho da entrevista na qual João Santana fala sobre mentir e afirma que “a mentira é 1 privilégio humano. É 1 prazer até…”:

Fernando Rodrigues – Você falou aqui durante este programa que tudo aquilo que e Monica [Moura, mulher de Santana] delataram na contribuição para a Polícia Federal, para o Ministério Público., foi a verdadeira expressão da verdade. Eu te conheço há alguns anos. E durante os anos em que você foi marqueteiro a gente tinha uma relação profissional muito escorreita, eu imaginava, mas você mentiu de maneira contumaz para mim e possivelmente para vários colegas. Mentiu. Inclusive você ligava para reclamar quando se sugeria que haveria algum caixa 2, praticamente ofendendo os jornalistas, dizendo “olhe, isso é uma mentira, isso é 1 absurdo”. Você chegou a gravar 1 vídeo dizendo que as pessoas se retratassem…
João Santana – Você está misturando coisas. Mentiu… Não… Você está misturando coisas… Esse vídeo… você está deslocando… Você está deformando a realidade… Esse vídeo foi [resposta à] primeira denúncia feita contra mim, completamente sem sentido… Ouça agora… Uma transferência… Por que você me chamou de mentiroso… Você me chamou de mentiroso… É uma transferência legal que chegou de Angola tanto que não deu em nada. Então… como eles já estavam querendo me pegar, e não tinham como, eles pegaram a primeira coisa que tinha. Isso é 1 dado. E depois… a sobrevivência de caixa 2… O que eu dizia era o seguinte [batendo com a mão direita na palma da mão esquerda]: vejam os números de caixa 1, de caixa verdadeiro, que eu pratico, e veja como era antigamente. Porque eu consegui aumentar… aumentar realmente a parte oficial. Porque não era só por questão de honestidade nem ética. Era porque eu queria pagar imposto para me ver livre do que ia acontecer e aconteceu comigo. Mas… calma… calma… Então não é isso que você está falando dessa maneira…

Mas o sr. nunca mentiu?
…Ao mesmo tempo… Menti. Você mentiu. Todo mundo mente. A mentira é 1 privilégio humano. É 1 prazer até… Ao mesmo tempo, você sabe, o quanto eu trabalhei a seu pedido para que a [então presidente] Dilma [Rousseff] sancionasse na íntegra a Lei de Acesso à Informação. Estou mentindo? Você ligou sistematicamente e eu conversei muito com a Dilma. Então você pode… se eu queria… que a Lei de Acesso à Informação…

O sr. está misturando as coisas…
Não era 1 favor não… Calma… Não era 1 favor para você, não. Era para o Brasil! Era para o Brasil. Era o meu lado jornalista que eu tenho.

[Vera Magalhães – apresentadora] É… porque do jeito que você está falando parece que é 1 lobby, sendo que a Lei de Acesso é de acesso à informação pública…

Mas 1 lobby verdadeiro, para o bem, nesse sentido, porque o Fernando me ligava sistematicamente. E ele não estava a favor dele, não. Ele estava defendendo uma coisa que hoje beneficia todos os brasileiros. Dilma teve a grandeza de sancionar a lei na íntegra. Fosse hoje essa lei passaria? Ia ser vetada… 

O sr. está misturando tudo…
Não! Você é quem misturou. Como você misturou, eu também misturei…

[risadas dos entrevistadores]

Mas o sr. misturou ou não misturou?
Claro… Se você jogou, como a gente chama na Bahia, vatapá no ventilador. Vatapá no ventilador! Então… Agora, você sabe, e perdoe-me pelo tom de voz…

[Vera Magalhães – apresentadora] Vou até agradecer ao Fernando aqui por ter advogado em favor da Lei de Acesso à Informação pública que é uma grande conquista da imprensa e da sociedade brasileira. 

O Fernando Rodrigues tem esse mérito. Eu não vou tirar nunca dele. Agora, ele sabe que humildemente eu ajudei… como ele fazia isso com várias pessoas. Mas talvez eu tenha ajudado 1 pouquinho mais…

Fernando Rodrigues – [com ironia] Mas eu não tinha caixa 2, João…

[risadas dos entrevistadores]

Mas você está misturando, cara. Você está misturando. Agora, o caixa 2, outra coisa, existe não só na política. Existe em tudo. Existe em tudo. “Com recibo ou sem recibo?”. Médico, advogado… O caixa 2 é uma generalidade disso…

[Vera Magalhães – apresentadora] Não, gente. A gente não pode reabrir a discussão sobre caixa 2 porque o tempo….

Eu não estou justificando… Pelo amor de Deus. Peraí… Eu não estou justificando… Eu abri, me autopenitenciando e me penitencio: eu errei. E estou pagando caro. Agora, eu posso lhe dizer uma coisa quanto a pagar: eu não fui o marqueteiro que mais ganhou nem o que mais fez coisa errada. Fui o que mais perdeu e o que mais foi punido.

[Quem foi?]

Descubram… Eu estou falando de 1 personagem de Marte. De alguns personagens de Marte.

Malu Gaspar [entrevistadora] – Queremos nomes…

Pelo amor de Deus…

TORNOZELEIRA ELETRÔNICA

No início do Roda Viva, ao ser indagado sobre qual era sua situação perante a Justiça, disse que não gostaria de demonstrar autocomiseração. Tentou desviar do assunto, enveredando pelo tema caixa 2.

Fernando Rodrigues – Qual é sua situação real? O sr. foi preso, condenado, ficou 1 período em reclusão. O sr. está em regime aberto, semiaberto? Pode circular à vontade?
João SantanaRegime aberto. Eu passei… Sem entrar no vitimismo, é bom lembrar que… Uma coisa central que podemos discutir hoje é o caixa 2… Por exemplo… que é uma coisa que domina… O caixa 2 não foi apenas uma unha encravada no sistema político brasileiro. O caixa 2 foi sempre a alma do sistema eleitoral brasileiro. E era uma coisa geral. E poucos foram punidos. Não estou cobrando punições para outros. Mas era só para colocar esse ponto e eu gostaria até…

Queria que o sr. dissesse qual é sua situação. O sr. pode circular normalmente hoje? Menos aos sábados e domingos. Sempre na Bahia [que é onde reside]. Quanto a isso…

Mas o sr. teve de pedir autorização para o juiz para vir aqui?
Não, porque isso tem relação com o trabalho. Tudo que tem relação com o trabalho você pode circular e depois comunicar o juiz.

E no fim de semana o sr. pode sair [para trabalho]?
Não, de forma nenhuma.

Fica em casa?
Agora… eu acho que isso é uma questão menor.

Mas é para as pessoas entenderem…
Não… Eu sei…

O sr. está falando de punição. O sr. usa tornozeleira, por exemplo?
Sim, uso até hoje.

No momento em que João Santana diz estar usando tornozeleira eletrônica, a TV Cultura, que transmite o programa Roda Viva, mostrou a perna esquerda do entrevistado, em close, deixando claro o volume sob a meia do marqueteiro Roda Viva/reprodução – 26.out.2020

O trecho em que Santana fala sobre o regime de prisão atual a que está submetido começa aos 9min14seg da entrevista:

Continuar lendo

Poder360