política

No G20, China fala em multilateralismo e critica agenda dos EUA

41views

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse nesta 3ª feira (29.jun.2021) que as principais economias do mundo devem cooperar visando a recuperação econômica e o combate à pandemia de covid-19. A declaração foi feita durante reunião de chanceleres e ministros de desenvolvimento do G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, realizada em Matera, na Itália.

Wang Yi, que participou do encontro de forma remota, criticou a “agenda anti-China” dos Estados Unidos. Segundo o Global Timesjornal controlado pelo Partido Comunista Chinês, o ministro destacou em sua fala temas como multilateralismo, abertura e governança global.

“O multilateralismo não é um slogan pairando no ar, nem é um disfarce para o unilateralismo”, disse o chanceler chinês.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que os EUA são o maior destruidor da ordem mundial por aplicar sanções e ameaças militares contra outros países.

“A ‘ordem baseada em regras’ dos EUA é um sistema hegemônico dominante nos EUA”, disse Wang em entrevista esta 3ª feira (26.jun.2021), observando que o sistema mundial é centrado na ONU (Organização das Nações Unidas) e as regras são baseadas em cartas de direitos da ONU.

“A ordem mundial não é hegemônica ou feita por uma camarilha liderada pelos Estados Unidos. Todos os países devem praticar o multilateralismo real”, reportou o Global Times.

A posição da China se dá em meio a uma tentativa de potências ocidentais, lideradas pelos norte-americanos, em conter a crescente influência global do país asiático.

O documento final do encontro do G7, grupo das maiores economias do mundo, criticou o que considera práticas anti-mercado da China e intervenção estatal. Líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido reuniram-se entre os dias 11 e 13 de junho, e reforçaram a retomada da união entre os países integrantes do grupo.

Dias depois do encontro, o presidente dos EUA, Joe Biden, reuniu-se com representantes da União Europeia para fechar um acordo comercial e de cooperação no desenvolvimento tecnológico. O alinhamento também busca conter a influência da China.

Já no campo militar, a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) divulgaram que a China representa um risco à segurança.

“A influência crescente da China e as políticas internacionais podem apresentar desafios que precisamos enfrentar juntos como uma aliança”, disse a nota assinada pelos líderes da organização composta por 30 membros.

Afirmaram também que “as ambições declaradas e o comportamento assertivo da China apresentam desafios sistêmicos à ordem internacional baseada em regras e às áreas relevantes para a segurança da Aliança. Estamos [a aliança] preocupados com as políticas coercivas que contrastam com os valores fundamentais consagrados no Tratado de Washington”, afirmaram.

Continuar lendo

Poder360