política

PF usa dados de satélite para deflagrar operação contra queimadas na Amazônia

60views

A Polícia Federal cumpre nesta 3ª feira (20.abr) 27 mandados de busca e apreensão para avançar na investigação contra proprietários de terras no sul do Amazonas suspeitos de praticar desmatamento, queimadas e uso irregular de terras da União.

A ação, batizada de operação Pentaedro do Fogo, é baseada em informações do sistema de satélite Planet, que cruzou imagens de focos de incêndio com dados de proprietários de terras para chegar até os responsáveis pelos crimes. A PF contratou por R$ 49 milhões os serviços do sistema Planet em 2020.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

O sistema de alta precisão conseguiu identificar 10.900 focos de incêndio em municípios do sul do Amazonas.

Segundo a PF, a metodologia utilizada na apuração é inédita no combate às queimadas e, além do caráter repressivo, serve como prevenção uma vez que expõe a possibilidade dos órgãos de fiscalização mapear com precisão os focos e responsáveis pelos incêndios.

A operação foi comandada ainda pelo delegado Alexandre Saraiva, que deixou o cargo de superintendente do Amazonas nesta 3ª feira (20.abr).

A mudança foi decidida na semana passada, em meio a atrito com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Saraiva enviou uma notícia-crime ao Supremo dizendo que o ministro atrapalha investigações e defende interesses de madeireiras ligadas ao desmatamento ilegal.

Continuar lendo

Poder360