política

Precisa apresenta pedido de uso emergencial da Covaxin nesta 2ª feira

14views

A Precisa Medicamentos, empresa que representa a farmacêutica indiana Bharat Biotech, anunciou que apresentará nesta 2ª feira (28.jun.2021) o pedido de uso emergencial da vacina contra covid-19 Covaxin à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Estudos internacionais já apontaram eficácia geral da Covaxin de 78% em sintomáticos e 100% em casos graves, o que colaboraria de forma significativa na redução das mortes no Brasil”, informou a empresa em nota.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

O pedido se dá em meio a suspeitas de irregularidades na contratação do imunizante. Na última 4ª feira (23.jun), o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou ter alertado o presidente Jair Bolsonaro sobre problemas no contrato entre o Ministério da Saúde e a Precisa para a aquisição de 20 milhões de doses da vacina indiana.

Documentos indicam que o Ministério da Saúde pagará mais caro que o governo federal indiano. O Ministério Público também determinou investigação do contrato, por indício de improbidade administrativa. A fabricante afirma que o preço estipulado para o Brasil está dentro da faixa estipulada pela fabricante para venda a outros países.

O MPF (Ministério Público Federal) pediu investigação na esfera criminal contra o Ministério da Saúde por identificar indícios de crime de improbidade administrativa no contrato.

Miranda disse que procurou o presidente em janeiro para informar que “algumas coisas ocorriam no Ministério da Saúde”. O contrato foi assinado no mês seguinte. O congressista teria procurado Bolsonaro novamente em 20 de março deste ano “com toda a documentação em mãos”. Estava acompanhado de seu irmão, Luis Ricardo Fernandes Miranda, que é servidor da pasta. Afirmou que o irmão sofreu pressão para acelerar a compra. O presidente admitiu o encontro.

Em depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da covid, o deputado disse que, ao ser informado, Bolsonaro suspeitou do líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), e não tomou providências. O pepista nega envolvimento no caso.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que encaminhará notícia-crime à PGR (Procuradoria Geral da República) contra o presidente Jair Bolsonaro pelo crime de prevaricação nesta 2ª feira (28.jun). O governo nega irregularidades. Miranda, por sua vez, diz que tem como provar que as declarações procedem.

Continuar lendo

Poder360