economiapolítica

Presidente da Eletrobras diz que 5 anos é um bom prazo para a descotização

41views

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, avalia que é possível realizar a descotização das usinas da empresa em um período de 5 anos. É o prazo mínimo permitido pela lei que viabiliza a privatização da Eletrobras.

A descotização é a mudança do regime de comercialização de energia da Eletrobras. Hoje, as usinas da estatal operam em um regime de cotas e vendem energia a preços mais baixos. Após a descotização, poderão comercializar energia a preços livres de mercado.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Segundo a medida provisória editada pelo governo de Jair Bolsonaro, a descotização deveria ser realizada em um prazo de 3 a 10 anos. O Congresso Nacional, no entanto, definiu que a mudança deve ocorrer em no mínimo 5 anos.

Questionado sobre o prazo necessário para a implementação da descotização, Limp disse nesta 2ª feira (26.jul) que o período exato da mudança ainda será definido pelo CNPE (Conselho Nacional de Politica Energética). Porém, disse que 5 anos parece ser um prazo “adequado”.

“Nas primeiras simulações, antes da medida provisória, foi utilizado um período de 5 anos. Me parece um período adequado, considerando um prazo que as distribuidoras tenham para recontratar e também para a Eletrobras alocar essa energia no mercado, seja no ambiente regulado ou no mercado livre”, afirmou Limp, em live.

O presidente da Eletrobras disse, no entanto, que a descotização vai “acontecer de forma gradual, para as distribuidoras poderem fazer recontratações com preços competitivos”.

Ele defendeu a medida como uma forma de transferir do consumidor para a Eletrobras o custo de riscos hídricos. “O risco hidrológico tem sido muito custo para os consumidores de energia”, afirmou. Críticos, no entanto, dizem que a medida pode aumentar a tarifa da energia elétrica.

Mercado livre

Rodrigo Limp afirmou que, após a privatização, a Eletrobras deve investir mais no mercado livre de energia, tanto na comercialização, quanto na geração.

Do ponto de vista de comercialização, Limp disse que o mercado livre tem crescido no país e deve ser aberto para consumidores residenciais. Segundo ele, a Eletrobras já está trabalhando na modernização da sua política de comercialização de energia para crescer enquanto comercializadora de energia.

Do lado da geração, o presidente da Eletrobras disse que o mercado livre já responde por 70% dos empreendimentos que estão sendo construídos no país, sobretudo os de energia eólica e solar. “Quando a Eletrobras for buscar ampliar sua oferta de geração, naturalmente a gente vai ter que direcionar investimentos principalmente para o mercado livre. Não que vai deixar de participar dos leilões, mas teremos que direcionar os investimentos”, afirmou.

Continuar lendo

Poder360