entretenimento

Projeção do mercado para IPCA de 2021 sobe de 3,87% para 3,98%, mostra Focus

67views

A mediana das projeções dos economistas do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 subiu de 3,87% para 3,98%, segundo o relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado hoje com estimativas coletadas até o fim da semana passada. Para 2022, manteve-se em 3,50%.

Para a taxa básica de juros (Selic), o ponto-médio das expectativas permaneceu em 4,00% no fim de 2021 e subiu de 5,00% para 5,50% no de 2022. A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A mediana das projeções do mercado para a economia brasileira em 2021 voltou a cair, de 3,29% para 3,26%.

Para 2022, o ponto-médio das expectativas para a variação do Produto Interno Bruto (PIB) sofreu a primeira alteração desde que a projeção para o ano passou a ser coletada pelo Banco Central, no primeiro semestre de 2018, com um leve corte, de 2,50% para 2,48%.

A economia brasileira encolheu 4,1% em 2020, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada. Foi o pior resultado de um ano fechado do PIB em toda a série histórica do IBGE, que começa em 1996. Até então, a maior queda registrada tinha sido a de 2015 (-3,5%).

No quarto trimestre de 2020, o PIB cresceu 3,2% frente ao terceiro, feitos os ajustes sazonais.

A mediana das estimativas para o dólar no fim deste ano foi elevada de R$ 5,10 para R$ 5,15, segundo o Focus.

Para 2022, o ponto-médio das projeções também subiu, de R$ 5,03 para R$ 5,13, entre uma semana e outra.

Desde a penúltima semana de janeiro, o Relatório Focus não traz mais as apostas dos economistas que mais acertam as previsões, os chamados Top 5, que passaram a ser divulgadas apenas por meio do Sistema de Expectativas de Mercado, do Banco Central, cuja atualização também é realizada às segundas-feiras, às 9h.

1 de 1 — Foto: Edar/Pixabay

— Foto: Edar/Pixabay

Fonte: Valor Econômico