entretenimento

Reino Unido anuncia “plano verde” para gerar empregos e estimular economia

66views

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou nesta quarta-feira um plano de 12 bilhões de libras em investimentos públicos para estimular a economia, gerar cerca de 250 mil empregos e zerar as emissões de carbono do país até 2050.

Em um movimento para tentar a crise política que dominou o governo nas últimas semanas, Johnson explicou que o plano, chamado por ele de “revolução industrial verde”, terá como foco gerar novos postos de trabalho no norte da Inglaterra, uma de suas promessas de campanha, na Escócia e no País de Gales.

1 de 1 — Foto: Alberto Pezzali/AP

— Foto: Alberto Pezzali/AP

Um dos pontos previstos no projeto é a proibição da venda de carros e vans movidos a gasolina e a diesel a partir de 2030, uma antecipação de cinco anos em relação à promessa anterior feita pelo governo britânico.

“Agora é hora de planejar uma recuperação verde com empregos altamente qualificados que proporcionem às pessoas a satisfação de saber que estão ajudando a tornar o país mais limpo, verde e bonito”, disse Johnson em um artigo publicado hoje no jornal “Financial Times”.

Muitas das ideias e dos recursos para bancar o plano já haviam sido anunciados anteriormente, mas o novo programa de Johnson inclui novos investimentos em hidrogênio, energia nuclear, infraestrutura de trânsito e captura de carbono.

Johnson quer, por exemplo, quadruplicar a quantidade de energia eólica que o Reino Unido produz até 2030, para 40 gigawatts, o suficiente para abastecer todas as casas do país. Outra proposta é ampliar a produção de hidrogênio. O plano inclui uma promessa de ter uma cidade totalmente aquecida com esta fonte de energia até o fim da atual década.

A cidade de Glasgow, na Escócia, será sede da próxima COP26, a conferência da ONU sobre o clima. Diferentemente de outros líderes populistas de direita, Johnson reconhece os efeitos da ação do homem sobre o meio ambiente e defende políticas para combater o aquecimento global.

Fonte: Valor Econômico