política

Ricardo Barros aciona STF para garantir depoimento à CPI da Covid

81views

O líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), pediu nesta 6ª feira (2.jul.2021) ao Supremo Tribunal Federal que garanta que ele seja ouvido pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado no dia 8 de julho. O deputado diz que está sendo “impedido” de exercer sua ampla defesa “por abuso de poder da CPI” que, segundo ele, ataca a sua honra “indevidamente“. Leia a íntegra (1 MB) do mandado de segurança apresentado ao STF.

Barros foi citado no depoimento do deputado Luis Miranda (DEM-DF), em 25 de junho. Miranda disse que o presidente da República, Jair Bolsonaro, demonstrou suspeitar que Barros estivesse envolvido em supostas irregularidades nas tratativas para compra da vacina indiana Covaxin, contra a covid-19.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Barros foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer. Até hoje tem forte influência na pasta.

A CPI aprovou a convocação do líder do Governo na Câmara na 4ª feira (30.jun.2021). Havia expectativa de o depoimento ser em 8 de julho, mas a data não chegou a ser marcada oficialmente. O vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), já indicou que não deverá ser na semana que vem, frustrando a expectativa inicial.

Na peça entregue ao Supremo, Barros diz que suas tentativas de defesa não tem repercutido na mesma proporção do que acusações feitas contra ele e que há um “adiamento indefinido” do seu depoimento. “O Impetrante necessita da concessão de medida liminar na medida em que é evidente o prejuízo inestimável que lhe causa cada dia em que não pode se manifestar na mesma arena em que lhe vem sendo feitas descabidas acusações, vale dizer, na CPI“, diz o mandado de segurança.

Continuar lendo

Poder360