ciência

Santuário medieval é restaurado na pandemia e ganha escultura mascarada

120views
Escultura com máscara na Catedral St. Albans (Foto: Catedral St. Albans)
Escultura com máscara na Catedral St. Albans (Foto: Catedral St. Albans)

Após passar por uma restauração, o santuário medieval da Catedral de St. Albans, em Hertfordshire, na Inglaterra, ganhou uma escultura mascarada como alusão ao uso de máscaras durante a pandemia de Covid-19.

O santuário do século 14 teve partes consertadas e algumas reconstruídas. Visitantes poderão ter a chance de ver as mudanças de perto a partir de 17 de maio, quando o local será reaberto, segundo informa comunicado.

O projeto de restauração foi iniciado em junho de 2019, como parte de uma iniciativa financiada por mais de mil doadores e pelo National Lottery Heritage Fund, que distribui recursos da Loteria Nacional do Reino Unido.

A equipe de restauração conservou peças originais, mas também acrescentou sua própria assinatura ao santuário. Entalhadores vindos de Yorkshire usaram métodos tradicionais de escultura à mão para trabalhar as estruturas históricas.

Antes dos trabalhos, a catedral tinha apenas cerca de 55% da pedra original, com pequenos vestígios da sua pintura tradicional. Para complementar o que ficou naturalmente preservado ao longo dos anos, os especialistas entalharam pedras tanto medievais quanto modernas.

“A preservação das esculturas remanescentes do século 14, o estabelecimento para permitir a restauração de seções ausentes e a interpretação e entalhe dessas partes perdidas no espírito e estilo originais, todos apresentaram desafios únicos”, comenta David Carrington, diretor da equipe responsável pela tarefa, em nota.

A Catedral de St. Albans, no Reino Unido, passou por uma restauração iniciada em junho de 2019 (Foto: St Albans Cathedral/Reprodução/Youtube)
A Catedral de St. Albans, no Reino Unido, passou por uma restauração iniciada em junho de 2019 (Foto: St Albans Cathedral/Reprodução/Youtube)

A construção original da Catedral de St. Albans começou no final do século 11, no local do sepultamento de Santo Albano, primeiro mártir da Grã-Bretanha. As obras tiveram fim no ano de 1115, segundo o site oficial da igreja.

O santuário que foi agora reformado foi adicionado pela primeira vez à catedral em 1350, em homenagem ao clérigo Anfíbalo, que, segundo a crença cristã, foi quem converteu o primeiro mártir ao cristianismo. Outro espaço de culto da basílica é dedicado ao próprio Santo Albano e foi erguido um pouco antes, em 1308.

Segundo a Biblioteca Britânica, Santo Albano viveu durante o século 3 e foi executado depois de ajudar Anfíbalo a escapar da perseguição de autoridades romanas. Mais tarde, os romanos capturaram o clérigo, que também se tornou santo. 

Para celebrar as restaurações do santuário que o homenageia, a Catedral de St. Albans anunciou que irá realizar uma nova rota de peregrinos durante o fim de semana de peregrinação que ocorre tradicionalmente todo mês de junho.

“A figura mascarada nos lembra que a história de St Albans se estende tanto para frente quanto para trás, e os peregrinos poderão marcar o último capítulo da história desta Catedral ao lado de Anfíbalo e Albano, que estiveram lá desde o início”, comentou Abi Thompson, sub-reitor da basílica.

Galileu