política

Senado aprova censura a assessor de Bolsonaro por gesto considerado racista

105views

O Senado aprovou nesta 4ª feira (31.mar.2021) o voto de censura a Filipe Martins, assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República.

Em uma sessão do Senado na semana passada, da qual participou o então ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, Martins fez um gesto que foi interpretado como obsceno por senadores que estavam presentes.

O movimento que Martins fez com a mão é parecido com um sinal de “OK”, usado em vários países, incluindo Brasil e Estados Unidos. Mas tem outros sentidos. No Brasil, faz alusão ao ânus. Nos Estados Unidos, também é usado por supremacistas brancos que exaltam o que chamam de “white power” (poder branco). Os 3 dedos esticados formariam “W”, de white, e o polegar junto com o indicador emulariam a volta do “P”, de power.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), determinou que a polícia legislativa apurasse o caso.

O voto de censura não tem consequência prática, é apenas uma repreensão pública. Mas, se for constatada alguma infração, o Senado pode enviar a investigação da polícia interna para o Ministério Público Federal.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

O requerimento aprovado nesta 4ª feira (31.mar.2021) foi apresentado por Fabiano Contarato (Rede-ES), e afirma que Martins praticou “gestos racistas e preconceituosos”, que teriam sido utilizados pelo “movimento supremacista branco”.

Martins nega que tenha feito qualquer gesto ofensivo, e afirmou que estava somente ajeitando a lapela do terno.

A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Rio Grande do Sul informou ter encontrado indícios de crime e pediu abertura de investigação.

No dia em que o assessor de Bolsonaro fez o gesto, o Museu do Holocausto, de Israel, publicou nota de repúdio.

“O Museu do Holocausto, consciente da missão de construir uma memória dos crimes nazistas que alerte a humanidade dos perigos de tais ideias, reforça que a apologia a este tipo de símbolo é gravíssima. Nossa democracia não pode admitir tais manifestações”, afirmou.

Continuar lendo

Poder360