entretenimento

SP quer blitz em rodoviárias e estradas para frear variante indiana do coronavírus

105views

A Prefeitura de São Paulo apresentou neste sábado proposta ao Ministério da Saúde para que seja feito controle sanitário em rodoviárias e estradas, para tentar conter a disseminação da variante indiana do novo coronavírus.

Os primeiros casos de contaminação com a nova cepa foram identificados no Maranhão. Segundo o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, a estratégia pensada para a capital paulista é a de atuar no controle do trânsito de pessoas provenientes desse Estado.

Segundo o secretário, o ministro Marcelo Queiroga adiantou que a iniciativa e as sugestões de São Paulo serão estudadas para serem disseminadas no âmbito nacional, por meio de um trabalho conjunto e articulado entre a Anvisa e as vigilâncias locais, a fim de evitar a disseminação de novas variantes, em especial com a circulação da indiana no Maranhão.

O ministro da Saúde não confirmou se vai adotar as medidas, mas afirmou que vai analisar a proposta feita pelo município.

Aparecido pediu que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) promova blitze nas estradas federais para identificar sintomáticos. Entre os pontos sugeridos estão as rodovias federais Fernão Dias e Presidente Dutra e também o Terminal Rodoviário do Tietê.

1 de 1
Maranhão registrou os primeiros casos da variante indiana da covid-19 no país, após tripulante de navio ser diagnosticado com a doença — Foto: ATENÇÃO: DEFINIR CRÉDITO!

Maranhão registrou os primeiros casos da variante indiana da covid-19 no país, após tripulante de navio ser diagnosticado com a doença — Foto: ATENÇÃO: DEFINIR CRÉDITO!

Passageiros que forem identificados com sintomas serão levados para unidades de urgência da região, onde será feita a testagem com RT-PCR. Em caso positivo, os doentes serão isolados por dez dias, a partir do início dos sintomas.

Os assintomáticos serão orientados e receberão um check-list para detecção dos sintomas e formas de prevenção.

A secretaria municipal de Saúde informou que até o momento não há qualquer evidência da circulação da cepa indiana em São Paulo. Na cidade, foram identificadas as variantes de Manaus e do Reino Unido.

Fonte: Valor Econômico