tecnologia

Tecnologia pode estimular células imunológicas a combater o câncer

16views

As células imunológicas que lutam contra o câncer em pacientes com câncer de pulmão cujos tumores não respondem a imunoterapias parecem estar em execução em um “programa” diferente que as torna menos eficazes do que as células imunológicas em pessoas que respondem a esses tratamentos.

As descobertas podem levar a novas maneiras de superar a resistência do tumor a esses tratamentos. “As imunoterapias contra o câncer têm uma grande promessa, mas essa promessa só se concretiza para uma fração dos pacientes que as recebem”, disse a líder do estudo Kellie N. Smith.

publicidade

As imunoterapias contra o câncer ganharam força nos últimos anos como uma forma de controlar o impulso inerente do sistema imunológico para livrar o corpo das células malignas. Um tipo proeminente de imunoterapia, conhecido como inibidores de checkpoint, quebra as defesas moleculares que permitem às células cancerosas se disfarçar. Desta maneira, é permitido que as células do sistema imunológico conhecidas como células T CD8 ataquem as células cancerosas.

Embora os inibidores de checkpoint tenham mostrado um tremendo sucesso em alguns tipos de câncer, a parcela de pacientes com essas respostas dramáticas é relativamente baixa. Por exemplo, apenas cerca de um quarto dos pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (NSCLC) têm respostas significativas a esses tratamentos.

Procurando por diferenças entre respondedores e não respondedores, Smith e seus colegas se voltaram para os resultados de um estudo anterior de imunoterapia. Eles coletaram amostras de sangue, tumor e tecido saudável retiradas de 20 pacientes em estágio inicial.

Leia também:

Nove dos pacientes tiveram uma resposta dramática aos inibidores do checkpoint, com 10% ou menos de seus tumores originais remanescentes no momento da cirurgia. Os outros 11 pacientes não responderam e tiveram respostas significativamente mais baixas ou nenhuma resposta.

Depois de isolar as células de cada uma dessas amostras, a equipe usou uma tecnologia para pesquisar especificamente as células que reconhecem proteínas produzidas por mutações cancerosas (conhecidas como mutação neoantígenos associados, ou MANA), influenza ou Epstein-Barr, o vírus que causa a mononucleose infecciosa. 

Os pesquisadores descobriram que respondedores e não respondedores tinham exércitos de células de tamanho semelhante em seus tumores, com números semelhantes de células em ambas as populações que respondem a MANA, influenza e Epstein-Barr. 

Por outro lado, quando compararam os programas de transcrição, encontraram diferenças marcantes. As células T CD8 orientadas para MANA de respondedores mostraram menos marcadores de exaustão do que aqueles em não respondedores, explica Smith. 

Sendo assim, as células CD8 dos respondedores estavam prontas para lutar quando expostas às proteínas tumorais e produziram menos proteínas que inibem sua atividade. “Ao aprender como reprogramar essas células imunológicas, poderíamos um dia facilitar a sobrevivência livre de doenças para mais pessoas com câncer “, conclui Smith.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: Olhar Digital